sábado, 18 de agosto de 2012

Incêndio de grandes proporções destrói fabrica de calçados do Grupo Dass

itapipoca
Por volta das 8 horas da manhã de ontem, um funcionário da filial da fábrica de calçados Dass, instalada neste Município do Litoral Oeste do Estado do Ceará, registrou incêndio em um dos galpões de estoque. Segundo o segurança da fábrica, Fábio Silva, o local armazenava tênis que já estariam prontos para venda. Os moradores reclamam da demora do Corpo de Bombeiros e da falta de uma equipe instalada na cidade.
Fábio contou que estava de serviço quando, por volta das 7h40, visualizou uma fumaça saindo da parte de expedição e, em torno das 10 horas, o Corpo de Bombeiros chegou ao local. De acordo com coronel Sérgio Gomes, o Corpo de Bombeiros foi acionado por volta das 8h50, quando foram chamadas as guarnições do Município de Marco e Sobral. “Devido à proximidade, a unidade de Marco foi a primeira a ser acionada, levando um Caminhão de Combate, sendo seguida pela unidade de Sobral e, por fim, dois caminhões saíram de Fortaleza, assim como um carro de salvamento”, disse.

O coronel explica que, por conta do engarrafamento da região Metropolitana de Fortaleza (RMF), houve uma demora para a chegada das unidades no local. “Até perto do Pecém, a locomoção foi bastante lenta devido ao trânsito e os veículos pesados que nós guiamos. Quando chegamos ao local, as equipes das outras cidades, assim como da própria Prefeitura, já estavam lá”, destacou Sérgio Gomes.
Sem feridos

Conforme o coronel, o incêndio foi de grandes proporções, mas ninguém ficou ferido. O local servia apenas para estoque e ficou com a estrutura completamente perdida. “Nós iremos demolir o que restou do galpão e fazer uma limpeza no local para, após esses procedimentos, entregá-lo de volta à empresa”. O coronel afirma que haverá uma limpeza no terreno ao redor da fábrica, já que é próximo da vegetação.
O fogo foi controlado por volta das 11horas de ontem. Os moradores contam que ficaram atordoados com as chamas e fumaça expelidas. A estudante Lidiane Teixeira lembra que acordou com sua mãe chamando, avisando que a fábrica estava sendo incendiada.
“Eu fiquei bem atordoada, moramos relativamente perto da Dass e temos conhecidos que trabalham na fábrica. Quando olhei para fora de casa só podia ver uma fumaça escura tomando conta de tudo”, disse a jovem.
O fotógrafo Rafael Victor lembrou que o Município não possui Corpo de Bombeiros, apesar de a Prefeitura ter doado o terreno para o Estado do Ceará no dia 9 de setembro de 2009.
Renovação do prazo

Segundo o chefe de gabinete da Prefeitura, André Lima Oliveira, a lei a qual o fotógrafo se refere é a Lei 064/2009, que autoriza o poder executivo à doação de terreno ao Estado do Ceará para ser destinado ao Corpo de Bombeiros. Segundo a documentação oficial, o terreno fica no Bairro Júlio, e tem área de 1159m.
“Mesmo que o prazo estipulado na lei para utilização, previsto no artigo 4º, ser de 2 anos, e já se encontrar com praticamente três anos, portanto vencido, o Município de Itapipoca tem interesse em renovar o prazo por igual período se realmente o Governo do Estado do Ceará tiver interesse em realmente executar a finalidade prevista nesta Lei Municipal, ou seja, construção de uma unidade do Corpo de Bombeiros em Itapipoca que servirá também para toda a região do Vale do Curu”, afirmou o secretário.
Burocracia

De acordo com o comandante da Corporação, coronel Heraldo Pacheco, houve problemas burocráticos que levaram à demora da resolução desse pedido. “Além disso, não existiam homens efetivados que pudessem ser enviados para lá”, afirma.
As investigações sobre o motivo do incêndio continuam, porém, alguns trabalhadores apontam que teria sido um curto circuito na fiação. O coronel Sérgio Gomes diz que as causas do incêndio serão divulgadas apenas após o laudo da perícia.
Dúvidas

Os moradores esperam para saber como ficará a situação da fábrica na cidade. Segundo informações disponíveis no site do grupo Dass, a unidade produtiva de Itapipoca conta com cerca de 2.055 colaboradores e é responsável pela fabricação de calçados esportivos das marcas Fila e Tryon, estando em atividade desde 3 de Junho de 1996.
Um funcionário, que não quis se identificar, afirmou estar com receio de demissões. “Foi um prejuízo muito grande, quase mil pares de sapato estavam ali dentro. E se for ter demissões? Pelo que eu sei, ninguém tem culpa, foi uma fatalidade”, destaca.
Até o fechamento desta edição, reportagem procurou o Grupo Dass para apurar mais informações sobre o prejuízo material e que medidas a fábrica adotará depois que o local for liberado pelo Corpo de Bombeiros, mas nenhum responsável pela empresa estava no local. Ninguém atendeu aos telefonemas.                 fonte: 


sexta-feira, 17 de agosto de 2012



Ceará realiza primeiro transplante de fígado em criança com menos 5 ano

Uma parceria entre o Hospital Infantil Albert Sabin, unidade da rede estadual, e o Serviço de Transplante de Fígado do Hospital Universitáro Walter Cantídio, do Governo Federal, salvou a vida da menina Luna Pereira dos Santos, que nesta quinta-feira (31), completa seis anos. Vítima de hepatite fulminante, a criança foi operada pela equipe médica do HUWC no último dia 18 e encaminhada, no mesmo dia para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Albert Sabin. Com estrutura moderna e adequada, a UTI do Albert Sabin garantiu todos os cuidados intensivos a menina. Com o novo órgão, ela entra para a história como a paciente mais jovem do Ceará a receber transplante de fígado.

Segundo o chefe do Serviço de Transplante de Fígado do HUWC, José Huygens Garcia, por inexistir um doador infantil, a criança acabou recebendo o fígado de um adulto. Nesse caso, foi utilizado quarenta por cento do órgão doado. Ele destacou que “a integração entre os dois hospitais foi fundamental para o sucesso do transplante, uma vez que o HUWC não dispõe de UTI pediátrica”. Após ser assistida da UTI do Albert Sabin, a criança foi transferida para uma enfermaria, onde ficou isolada para a garantia total do sucesso do transplante.

A mãe de Luna, Lucilene Pereira dos Santos, conta que a criança começou a apresentar amarelidão nos olhos e no corpo, além de inchaço na barriga. Em Uruburetama, onde mora, levou a filha para o hospital municipal, onde a menina foi examinada e depois transferida para o Albert Sabin. Após a realização de diferentes exames, a equipe médica diagnosticou hepatite muito grave com indicação imediata de transplante. “A Luna está andando e comendo bem. Ela fala muito na escola, está com saudade de casa. Sofri muito, mas Deus tá sempre comigo. Estou muito feliz e confiante de que tudo vai dar certo”, afirma. A médica do Albert Sabin, Mariana Mendes, confirma que a criança está bem e com as enzimas hepáticas normalizadas. A previsão é que receba alta nesta quinta-feira, data do aniversário dela.

O Ceará é o Estado em todo o país que mais faz transplantes de fígado por milhão de população, de acordo com o último levantamento da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (www.abto.org.br). Enquanto realiza 18,3 transplantes por milhão de população, o estado de Santa Catarina, que aparece em segundo lugar, realiza 16,9 pmp. Ano a ano o número de transplantes de fígado aumenta. Em 2011, foram feitos no Ceará 158 transplantes. Número superior ao de 2010, quando o total ficou em 113. Este ano já contabiliza 66 transplantes de fígado. 

 Antes sentia dor no coração. Agora tô alegre"
Com 5 anos, Luna Pereira se tornou a cearense mais jovem a receber transplante de fígado. A equipe médica responsável pela operação considera que o procedimento foi uma "inovação tecnológica"
Luna Pereira é uma criança franzina. Apesar do aspecto abatido, os olhos grandes e o riso fácil da menina de 6 anos transluzem candura. Antes amarelados, hoje irradiam brilho. O cabelo escuro realça as fivelas de laço cor de rosa. A ocasião pede. Ela sabe que entrou para a história - a própria história de vida. Mas, não apenas por ter sido a primeira criança mais jovem a receber transplante de fígado no Ceará, Luna representa um caso de esperança para a medicina. 

A ocasião é duplamente especial. Ontem, no dia em que recebeu alta, Luna completou 6 anos. O presente? Além de mimos e abraços, uma boneca, com a qual ficou agarrada durante todo o tempo em que comemorou o aniversário no Hospital Infantil Albert Sabin (Hias) na manhã de ontem. Ela foi transferida para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hias após a operação, realizada no dia 18 de maio. Antes de voltar para casa, Luna, que confessa estar com saudades dos irmãos, tranquiliza: “Tô melhor. Antes sentia dor no bucho e no coração. Agora tô alegre”.


Natural de Santa Luzia, distrito de Uruburetama (a 127,3km de Fortaleza), Luna era vítima de hepatite fulminante. Há 20 dias, apresentou os sintomas típicos da enfermidade: amarelidão nos olhos e no corpo, além de inchaço na barriga. “Não fiquei com medo. Pedi a Deus que me desse força”, relatou a mãe, Lucilene Pereira, sobre o momento em que descobriu a necessidade do transplante. Antes da operação, Lucilene explicou à filha sobre o procedimento: “Ela ficou tranquila”.


A cirurgia foi realizada pela equipe médica do serviço de transplante de fígado do Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC) da Universidade Federal do Ceará (UFC). Christiane Araújo, hepatologista pediátrica, participou da intervenção. “Ela é a mais nova criança em idade e peso a ter recebido transplante de fígado”. Na época com 5 anos, Luna pesa 15 quilos. O doador foi um adolescente de 15 anos com 36 quilos. Foram aproveitados 40% do fígado, que passou por redução para caber na receptora.


Christiane explica que a oportunidade permite aproximar as equipes do HUWC, que realizou a intervenção cirúrgica, do Hias, responsável pelo pós-operatório. O acompanhamento no hospital foi feito pelas médicas Amália Lustosa, Edna Marques e Hildênia Baltasar. Conforme Amália, a criança apresenta menos rejeição do órgão do que o adulto. Ela explica que os cuidados a partir de agora são com o uso de imunossupressor pelo resto da vida, para evitar a rejeição, além da prevenção contra infecções.

ENTENDA A NOTÍCIA


Antes, o Ceará encaminhava crianças com menos de 8 anos a estados como São Paulo para serem transplantadas e acompanhadas. Agora, com o sucesso do transplante, a equipe organiza convênio com o Ministério da Saúde para que as crianças doentes não precisem sair do Estado.

Serviço
Como doar? Basta informar a sua família do desejo da doação. Quem decide é a família, não precisa deixar nada por escrito.

General fala em intervenção se Justiça não agir contra corrupção Diego Vara - 28.abr.2014/Agência RBS/Folhapress O general Antônio Hami...