segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Forças Armadas sofrem corte de 44% dos recursos e preveem colapso

Queda de 7,8 bilhões de reais no orçamento afeta a vigilância da fronteira e diminui a capacidade de operação de unidades que apoiam a segurança pública

Em meio à discussão da mudança da meta fiscal e de corte de gastos, as Forças Armadas pressionam pela recomposição no Orçamento, que nos últimos cinco anos sofreu redução de 44,5%. De 2012 para cá, os recursos discricionários caíram de 17,5 bilhões de reais para 9,7 bilhões de reais. Os valores não incluem os gastos obrigatórios com alimentação, salários e saúde dos militares.
Segundo o comando das Forças, houve neste ano um contingenciamento de 40%. O recurso só é suficiente para cobrir os gastos até setembro. Se não houver liberação de mais verba, o plano é reduzir expediente e antecipar a baixa dos recrutas. Atualmente, já há substituição do quadro de efetivos por temporários para reduzir o custo previdenciário. Integrantes do Alto Comando do Exército, Marinha e Aeronáutica avaliam que há um risco de “colapso”.
A Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados (DFPC) do Exército, responsável por monitorar o uso de explosivos, é uma das unidades atingidas. Um dos órgãos das Forças Armadas de apoio ao sistema de segurança pública, a DFPC perdeu parte da capacidade operacional para impedir o acesso a dinamites por facções criminosas, como o Primeiro Comando da Capital (PCC) e o Comando Vermelho, que roubam bancos e caixas eletrônicos.
O Comando do Exército confirmou que o contingenciamento reduz “drasticamente” a fiscalização do uso de explosivos, abrindo caminho para o aumento de explosões dos caixas eletrônicos. Em julho, a Federação Nacional dos Bancos (Febraban) foi à Comissão de Segurança Pública da Câmara para pedir maior combate ao crime organizado. Há 23 mil agências e 170 mil terminais de autoatendimentos no país. Só neste mês, quadrilhas explodiram agências em Lindoia (SP), em Indaiatuba (SP) e em Capelinha (MG). Em junho, os bandidos agiram em Brasília – são 22 ações desde 2016 no Distrito Federal.
O presidente Michel Temer (PMDB) disse estar tomando medidas em relação ao contingenciamento. “Queremos devolver dinheiro, digamos assim, para os vários setores da administração e, em particular, às Forças Armadas”, disse. Procurado para comentar as reclamações, o Ministério do Planejamento, por meio de sua assessoria, afirmou que se “esforça” para resolver os problemas mais “graves”. “Entretanto, qualquer ampliação de limites, sem que haja redução em outros ministérios, depende do aumento do espaço fiscal.” fonte;veja.abril.com.br

Aliados de Temer fazem as contas e têm péssima notícia sobre a Reforma da Previdência O cruzamento dos votos da denúncia e expectativas para a reforma da Previdência devem balizar novas movimentações do governo na redistribuição de cargos na base aliada

SÃO PAULO - Membros da base do governocomeçaram a estimar a real dimensão do encolhimento dos apoios com os quais o presidenteMichel Temer pode contar para a votação da Reforma da Previdência. Segundo a coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, um deputado "planilheiro" estima que o Planalto conta apenas com 150 dos 308 votos para aprovar a proposta de emenda à Constituição.
Conta a coluna que, antes da denúncia de Rodrigo Janot contra o peemedebista na Câmara, o governo contava com 255 apoiadores -- o que exigia ainda a conquista de 53 novos votos. Deste total, 105 votaram pelo afastamento de Temer e agora lançam dúvidas sobre sua disposição em votar a favor de mudanças nas regras para aposentadoria.
O cruzamento dos votos da denúncia e expectativas para a reforma da Previdência devem balizar novas movimentações do governo na redistribuição de cargos na base aliada.  fonte; infomoney.com.br

sábado, 12 de agosto de 2017

Juiz condena 23 acusados por associação ao tráfico em Itapipoca

Resultado de imagem para itapipoca

Um grupo de 23 acusados foi condenado no município de Itapipoca, a 147km de Fortaleza, pelo crime de associação ao tráfico de drogas (artigo 35 do Código Penal - Lei nº 11.343/2006). Uma das condenadas também foi inclusa no artigo 36 (financiamento ao tráfico) da mesma Lei.
A sentença foi proferida pelo juiz de Direito Luiz Roberto Oliveira Duarte, titular da 2ª Vara da Comarca de Itapipoca. A decisão judicial foi motivada por ação penal pública incondicionada instaurada pelo Ministério Público.
A facção criminosa era comandada pelo comerciante Francisco Talvane Teixeira, conhecido como “Talvane”, acusado de chefiar o tráfico de drogas naquela cidade. O traficante foi condenado a sete anos de reclusão e pagamento de 700 dias-multa (equivalente a 1/30 do valor do salário mínimo vigente à época do fato delituoso), em regime inicialmente fechado.
De acordo com o processo (, “Talvane”, mesmo recolhido a um presídio, é temido pela comunidade de Itapipoca e “responsável pelo trucidamento de várias pessoas, em especial de pequenos traficantes que tentaram dominar o rendoso mercado da denominada cidade dos três climas ou mesmo de indivíduos honestos que, de alguma forma, arriscaram neutralizar o comércio de entorpecentes, sempre se utilizando de aparelhos celulares, estrategicamente levados ao cárcere por outros criminosos”, conforme trecho da sentença, prolatada pelo magistrado em 30 de novembro de 2009.
As investigações do caso incluíram interceptações e quebra de sigilo de dados por autorização judicial, descobrindo o envolvimento de servidores públicos (policiais civis e militares), comerciantes e advogados com traficantes e com o mundo negro da corrupção. Além disso, constatou-se que as inúmeras “bocas de fumo” em Itapipoca movimentam, ao mês, somente de cocaína, em torno de 150 kg, adquiridos na Favela da Rocinha no Rio de Janeiro, em São Paulo e no Mato Grosso.
Abaixo, seguem as condenações dos demais envolvidos, todas em regime inicialmente fechado:
1 - Antonio Edísio Pires, vulgo “Edísio” ou “Cachaça” - seis anos de reclusão e pagamento de 600 dias-multa;
2 - Régis Carneiro Viana, vulgo “Régis” - cinco anos de reclusão e pagamento de 600 dias-multa;
3 - Marcos Barroso Teixeira de Sousa, vulgo “Marcos Paraguai” - seis anos de reclusão e pagamento de 600 dias-multa;
4 - Marcos Antonio Soares de Sousa, vulgo “Neném Bocão” - seis anos de reclusão e pagamento de 600 dias-multa;
5 - José Wellington Oliveira Braga, vulgo “Sibite” - seis anos de reclusão e pagamento de 600 dias-multa;
6 - Francisco Josileudo Teixeira de Sousa, vulgo “Leudo” - seis anos de reclusão e pagamento de 600 dias-multa;
7 - José Pires de Sousa, vulgo “Pedreiro” - três anos de reclusão e pagamento de 300 dias-multa;
8 - Francisco Gileno Ferreira de Aguiar, vulgo “Gileno” - três anos de reclusão e pagamento de 300 dias-multa;
9 - Aristóteles de Andrade Paixão, vulgo “Nego Pita” - três anos de reclusão e pagamento de 300 dias-multa;
10 - Manoel Bezerra de Araújo, vulgo “Manoelito” - três anos de reclusão e pagamento de 300 dias-multa;
11 - Franklin Alex Bezerra Dantas, vulgo “Alex do Manoelito” - cinco anos de reclusão e pagamento de 500 dias-multa;
12 - Alysson Pires de Sousa, vulgo “Cheira - seis anos de reclusão e pagamento de 600 dias-multa;
13 - Carlos Alexandre Matos e Belarmino, vulgo “Alexandre do Belarmino” ou “Filho do Belarmino” - três anos de reclusão e pagamento de 300 dias-multa;
14 - Francisco Jorge Ciríaco da Costa, vulgo “Ciriáco” - quatro anos de reclusão e pagamento de 400 dias-multa;
15 - Albérico Teixeira de Matos - três anos de reclusão e pagamento de 300 dias-multa;
16 - John Glaydson Bastos Pinheiro Lima - quatro anos de reclusão e pagamento de 400 dias-multa;
17 - José Adriano Teixeira de Sousa, vulgo “Manim” - seis anos de reclusão e pagamento de 600 dias-multa;
18 - Ana Gláubia Rodrigues Silva, vulgo “Ana Gláubia” - três anos de reclusão e pagamento de 300 dias-multa;
19 - Maria Lourdes Ferreira - três anos de reclusão e pagamento de 300 dias-multa;
20 - Antonio Raimundo Silva Sousa, vulgo “Toinho Preto” - três anos de reclusão e pagamento de 300 dias-multa;
21 - Francisco Cláudio da Silva, vulgo “Irmão Cláudio” - seis anos de reclusão e pagamento de 600 dias-multa;
22 - Ana Karoiny Pontes Barroso, vulgo “Karol” (condenada também pelo crime de financiamento ao tráfico, mas beneficiada com redução da pena pela metade por ter colaborado com as investigações) - cinco anos e seis meses e pagamento de 900 dias-multa.
Esta notícia foi acessada 00003 vez (es).
fonte.

O prefeito Hilson Paiva mesmo diante da crise luta pelo bem de Uruburetama

A imagem pode conter: céu e atividades ao ar livreA imagem pode conter: 7 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas sentadas, pessoas em pé e área interna
O prefeito Hilson Paiva esteve hoje (07) em Fortaleza, com o Secretário Adjunto da Dra. Socorro França, Dr. Sandro Camilo na Secretária de Justiça e Cidadania, juntamente com a procuradora do Município deUruburetama Dr. Juliana e as Agentes Penitenciarias de Uruburetama, Carla Daniele e Delma. Foi solicitado aos mesmos um revisão ou restauração da cadeia pública de Uruburetama. Pedindo, se possível um novo prédio da Cadeia fora do centro da cidade. Na ocasião, o prefeito ofereceu um terreno que faz divisa com o Umirim.

Ficou agendado de quinta- feira o engenheiro da Secretaria de Segurança vir a Uruburetama e junto com o engenheiro da cidade para ver o que sera feito. Foi colocado em pauta a restauração e tombamento do prédio pelo o IPHAN tendo em visto que o predio, segundo o historiador George Freitas é datado de 1850. Logo em seguida junto com o Deputado Federal Chico Lopes, os mesmos buscaram auxilio de verbas para construção de um novo hospital, e de imediato a aquisição de novos aparelhos de RX , mamógrafo e ultra som. Amanhã (08) haverá uma nova reunião na secretaria da Justiça, dessa vez para assegurarmos a comarca deUruburetama, tendo em visto que o Ministério da Justiça quer cortar gastos e fechar varias comarcas no estado do Ceará.
Fonte: Rede social de Hilson de Paiva

Forças Armadas sofrem corte de 44% dos recursos e preveem colapso Queda de 7,8 bilhões de reais no orçamento afeta a vigilância da fronte...